Apoio à elaboração do texto final – apresentações dos participantes

Em resposta a diversas solicitações, publicamos aqui um conjunto de apresentações – em Power Point, PDF, Prezi – de alguns convidados e participantes. Contamos que a disponibilização destes materiais possa apoiar a elaboração do texto final, a submeter até 30 de novembro de 2016.

3475957_orig

Sessões Plenárias

António Machuco – Uma panorâmica da cibercultura: da cibernética ao pós-humanismo [aqui]

Lídia Oliveira – Hiperconexão: o pensamento na era da canibalização do tempo [aqui]

Luís Moniz Pereira – Cibercultura, simbiose e sincretismo [aqui] [link para o áudio]


Sessões Paralelas

Ana Marques da Silva – Ciberliteratura, automação e o panóptico digital [aqui]

Ana Melro & Lídia Oliveira – Comunidades de Inovação Social e Cibercultura: contributos para o desenvolvimento de territórios inteligentes [aqui]

Ana Paula Brandão – A Comissão Europeia e a Luta contra o Cibercrime: Da Mercantilização à Securitização? [aqui]

António Baía Reis – Realidade Virtual e Preconceito: o Jornalismo Imersivo enquanto dispositivo de consciencialização social e cultural [ficheiro com capacidade superior à suportada pelo sistema. Contactar a organização para solicitar o documento]

Bruno Ministro – Big Data e Cyberpunk: Utopias tecnológicas, distopias literárias [aqui]

Cecília Tomás – Desafios éticos da Internet das Coisas: em torno da Personalização na Educação [aqui]

Cristiane de Lima Barbosa & Monique Alencar – Mídias sociais e organização pública: Análise comparativa das estratégias de interação do Facebook da Prefeitura de Curitiba e Prefeitura de Manaus [aqui]

Emília Araújo – Politizar o tempo (d)no digital : o debate e a controvérsia sobre a “lei das 35 horas” [aqui]

Enrickson Varsori; Ana Melro; Lídia Oliveira – Jovens nos ecrãs: a fronteira invisível no quotidiano [aqui]

Joana Rocha – Desfocados – a distração programada da Internet em Nicholas Carr [aqui]

Kamila Bossato Fernandes – Nativos-digitais, mas nem tanto: um retrato do uso de ferramentas digitais por grupos de jornalismo alternativo brasileiros [aqui]

Liliana Vasques – Hacktivismo – a performance pós-humana do ativismo digital [aqui]

Lina Moscoso Teixeira & Ana Jorge – A Repercussão dos Media Alternativos no Ciberespaço: Estudo Comparativo das Páginas “Outras Palavras” e “O Corvo” [aqui]

Luís Pinto – Ver e aprender com o Crash Course: Novos paradigmas na transmissão de conhecimento online [aqui]

Marisa Mourão; Rita Sá; Rui Barros; Sílvia Burlacu – Crise dos refugiados no Twitter: As representações sociais e o papel dos influenciadores da rede [aqui]

Paulo Renato de Jesus – O caráter ético-político dos Cyberleaks: alta traição ou heroísmo moral? [aqui]

Pedro de Andrade – Comunicação da cibercultura: (in)visibilidades e visualidades dos e-atores sociais nos dispositivos digitais em hibrimédia [aqui]

Pedro Alves da Veiga; Mirian Tavares; Heitor Alvelos – Ecossistemas na blended-society: a experiência da média-arte digital [link]

Pedro Rocha – Análise da transposição da Realidade Aumentada para a realidade da sociedade tecnológica em 50 anos de cinema [aqui]

Sandra Bettencourt – Romances em “trans-ação”. Uma cibertextualidade pós-digital [aqui]

Sílvia Gomes & Rui Vieira Cruz – Futureal: crime e tecnologias convergentes em Psycho-Pass [aqui]

[Créditos da imagem: http://petermacintyre.weebly.com/]